Hipertextus Revista Digital Hipertextus Revista Digital Hipertextus Revista Digital Nehte/UFPE Website UFPE
 
 
Indexadores Nacionais:
 
Indexadores Internacionais:
 
Visitantes online:
 

 
 
Editoriais - Volume 10
 

Caro (hiper)leitor,

A Hipertextus Revista Digital chega ao 10º volume mantendo a sua tradição de publicar pesquisas desenvolvidas por estudiosos das mais diferentes regiões do país. Os trabalhos versam sobre temas variados – das estratégias de ensino da modalidade escrita da língua por meio de gêneros digitais ao desenvolvimento de um objeto de aprendizagem vitual para o curso de graduação em engenharia – e têm como fio condutor a tríade linguagem, tecnologia e ensino.

No artigo que abre este volume, Roberta Caiado e Artur Gomes de Morais (UFPE) analisam as maneiras através das quais professores de Língua Portuguesa das diferentes redes de ensino se utilizam de práticas pedagógicas voltadas ao desenvolviemento do letramento digital dos seus alunos. Para tanto, analisam entevistas e questionários e discutem os efeitos das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC) para o Ensino-Aprendizagem.  

Glayci Kelli Reis da Silva Xavier (UFF/FFP-UERJ), no segundo artigo, também trata do uso das novas tecnologias no ensino de línguas, mas, à luz da abordagem sociocultural do ensino, volta a sua atenção para projetos de leitura e produção de textos desenvolvidos nas séries iniciais do Ensino fundamental. A autora discute sobre o papel das escolas e dos professores nesse contexto e trata da importância do trabalho com sequências didáticas.

No terceiro artigo, Manoela Oliveira de Souza Santana e Rodrigo Camargo Aragão (UESC) analisam o caráter interacionista do blog. Os autores voltam a sua atenção para práticas pedagógicas de professores do Ensino Médio de escolas que fazem uso de tal recurso e mostram quão importante é o investimento na fomação continuada dos docentes, para que eles tenham subsídios para desenvolverem práticas pedagógicas adequadamente voltadas para as múltiplas linguagens e os multiletramentos inerentes universo hipeterxtual.

Dando continuidade às discussões acerca das potencialidades do hipertexto para as práticas pedagógicas, o quarto artigo, escrito por Diego César Lendro, Janaína Weissheimer e Jennifer Sarah Cooper (UFRN) apresenta o desenvolvimento de uma estratégia pedagógica para o ensino de produção de texto em língua inglesa por meio da narrativa virtual Flash fiction. Os autores discutem no texto a contribuição da escrita colaborativa para a aprendizagem de inglês como língua adicional e apresentam as características do supracitado gênero.

O quinto artigo, de autoria de Francine Kemmer Cernev (UFRGS),  assim como o anterior, tem como foco a aprendizagem colaborativa. O objetivo, entretanto, é analisar os seus efeitos, a partir do uso das novas tecnologias nas aulas de música. A autora apresenta diferentes ferramentas e plataformas e discute a importância de tais recursos para a construção do conhecimento nas aulas de música, ao mesmo tempo em que trata dos papeis dos professores e dos alunos nesse novo cenário.

Flávia Mendes de Andrade Peres e Glaucileide da Silva Oliveira (UFRPE), no sexto texto, debruçam-se sobre práticas pedagógicas no nível do Ensino Médio. O objeto de estudo é o processo de desenvolvimento de jogos educacionais  em uma escola pública da cidade do Recife, o qual contou com participação dos discentes. Para isso, as autoras exploram conceitos importantes, como a Teoria da Ativdade, e mostram como o trablaho com as TIC pode propiciar a renvoção das práticas pedagógicas,

As práticas pedagógicas no contexto da Educação Básica também constituem o foco de Lia Schulz (UFRGS / UNILASALLE), no artigo de número sete. Nele, a autora aborda a relação entre a escola e as tecnologias e discute acerca dos multiletramentos que podem ser desenvolvidos nas aulas de Língua Portuguesa. Para tanto, caracteriza o Tumblr e o apresenta como ferramenta que oferece várias possibilidades no contexto pedagógico, além de aproximar a escola do universo digital de que participam os estudantes.

Assim como no texto anterior, a rede social Tumblr também é abordada no oitavo artigo, de autoria de Fabiane Sarmento Oliveira Fruet, Kelly Alves Lorenz, Miguel Alfredo Orth e Letícia de Lima (UFPel). Os autores apresentam uma experiência pedagógica com a produção de textos em língua portuguesa na referida rede social, considerando que o seu caráter significativo contribuiu para o desenvolvimento de importantes habilidades relativas à modalidade escrita da língua.

No texto seguinte, Deyseane Pereira dos Santos Araújo e Luciano Barbosa Justino (UEPB) fazem uma revisão teórica a partir da qual discutem o uso dos termos vídeo e imagem infográfica e refletem acerca do novo patamar do processo videográfico. Com o objetivo de ir além da conceituação corriqueira, as considerações sobre o vídeo vão além sua propriedade de transmitir imagens, sendo considerado pelos autores em seu aspceto intersemiótico. 

Flávia Pereira da Silva, André Soares Grassi, Heli Meurer, Paulo Augusto de Freitas Cabral Jr, Rafael Marimon Boucinha e Fernando Schnaid (UFRGS), no décimo artigo, apresentam uma experiência pedagógica na área de engenharia, baseada no desenvolvimento de um objeto de aprendizagem virtual. Para isso, abordam os fenômenos das representações virtuais e descrevem o passo a passo da criação do protótipo a partir de um simulador de usina hidrelétrica.

O ensino no nível superior é também objeto de reflexão de Éwerton Ávila dos Anjos Luna (UFRPE/UFPB) e Siane Gois Cavalcanti Rodrigues (UFPE), no décimo primeiro artigo. Considerando a natureza discursiva da linguagem, os autores analisam uma videoaula de um curso de Letras na modalidade EaD, de maneira a abordar questões relacionadas ao evento comunicativo, ao gênero discursivo e ao processo ensino-aprendizagem

O Programa Um Computador por Aluno (PROUCA) é abordado por Bruno França de Souza e Sérgio Paulino Abranches (UFPE), no décimo segundo artigo. Os autores discutem os efeitos, para o processo de ensino-aprendizagem, da inserção de laptops educacionais nas práticas pedagógicas de uma escola pública da cidade do Recife e chegam à conclusão de que tal ferramenta contribuiu para a ressignificação das práticas pedagógicas.

Fechando este volume, Ermelinda Maria Araújo Ferreira (UFPE), no texto de número 13, tece reflexões a partir das quais apresenta a maneira como o homem, associado à tecnologia e à ciência, é representado hodiernamente. Para tanto, ao mesmo tempo em que traz para a cena os desafios que vêm se imporndo ao ser humano, dialoga com pensadores pós-humanistas e problematiza os efeitos desse processo.

Com a certeza de que os nossos (hiper) leitores encontrarão aqui reflexões de grande pertinência ao debate na área de linguagem, tecnologia e ensino, desejamos a todos uma excelente (hiper) leitura.

Boa (hiper)leitura! Acessar Volume 10

Siane Gois Cavalcanti Rodrigues — Letras/UFPE (Editora)
Antonio Carlos Xavier — Nehte/UFPE
(Coeditor)