Hipertextus Revista DigitalHipertextus Revista Digital Hipertextus Revista DigitalNehte/UFPE Website UFPE
Indexadores Nacionais:
Indexadores Internacionais:
Visitantes online:
 
Editorial - Volume 15

Caros Hiperleitores,

Neste 15o volume, temos a satisfação de apresentar-lhe 12 excelentes artigos científicos que que foram produzidos por pesquisadores ligados a várias faculdades brasileiras.

No texto 01, "O Fórum de discussão como um "Espaço para a Inteligência Coletiva", Fábio Luis Kraemer e Suzana Feldens Schwertner, da UNIVATES (RS), discutem as modificações evidenciadas nas maneiras de ensinar e de aprender, as quais vêm sendo motivadas pelo contnuo desenvolvimento da tecnologia. A partir da análise da interação entre os participantes de um fórum de discussão acadêmica, os autores apresentam alternativas para a construção de situações de inteligência coletiva.

Fabiana Kurtz, da Unijuí, no texto 02 intitulado: O papel das Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação de Professores de Letras: Ferramentas Cognitivas e o Modelo Tpack, apresenta os resultados de uma pesquisa cujo propósito é explicitar os pontos de convergência e divergência entre a maneira como docentes basileiros e portugueses compreendem o papel das TIC na formação docente em Letras.

Perfis de Letramento Digital: do Errante ao Guia é o títilo do que é o texto de número 3, escrito por Flávia G. Botelho Borges, da UFMT. A autora, com base nos pressupostos teóricos de Strret, Lankshear e Knobel, tem como objetivo explicitar o processo de construção e categorização não apenas de graus, mas tambêm de perfis de letramento digital.

Por seu turno, Júlia Larré (UFRPE),no artigo 4, intitulado A argumentação Inicial via Moodle em Língua Inglesa nas Engenharias, investiga a produção textual de granduandos, no âmbito de um fórum virtual da plataforma Moodle, com o propósito de mostrar como, nesse espaço, caracteriza-se a argumentação.

no texto 5, Sônia Cristina Vermelho, da UFRJ, e Ana Paula Machado Velho, da Unicesumar/UEM, se propôem a empreender uma discussão teórica acerca dos conceitos de rede social digital. Além disso, evidenciam os dados de uma investigação bibliométrica, a qual contou com a análise de 115 trabalhos acadêmicos de áreas diversas.

A Produção de Curtas como Ferramenta para Debater a Inclusão Social na Sala de Aula é o título do artigo de número 6, que foi escrito por Renata Garcia Marques e Dorotea Frank Kersch, ambas da UNISINOS. O objetivo do trabalho é analisar curtas de acessibilidade midiática produzidos por professores e alunos de uma rede municipal de ensino, no âmbito de um projeto educacional voltado à inclusão social.

O artigo seguinte,Hibridizando a Aprendizagem de Inglês como L2 com Googledocs e Voicethread: o que os Aprendizes têm a dizer?, é de autoria de Diêgo Cesar Leandro, da UFERSA, Lorena Azevedo de Souzsa, da UFRN, e de Janaína Weissheimer, da UFRN. No trabalho, os autores, como base em um modelo de aprendizagem híbrida no âmbito de ensino de língua estrangeira, mostram o papel das tecnologias digitais no desenvolvimento de competências linguísticas das duas modalidades de uso da língua: a oral e a escrita.

O oitavo texto é de autoria de Ana Lusa Borba Gerdiel (UFV) e Cristiane Lopes Rocha de Oliveira (UFJF), versa sobre o ensino e a aprendizagem de LIBRAS e é intitulado Príticas virtuais como alternativas de ensino e aprendizagem da Língua Brasileira de Sinais. O trabalho apresenta algumas príticas pedagógicas cujo objetivo é proporcionar melhorias no ensino e aprendizagem da referida língua, no contexto do Ensino Superior.

O texto 9, Postagens do gênero meme no Facebook: príticas de produção linguística como manifestação do pensamento colonializado, dos autores Rodney Mendes de Arruda e Clíudia Lúcia Landgraf-Valerio (ambos do IFMT/Campus Cuiabá) traz um olhar crítico para esse gênero multimodal. Isso porque os autores objetivam, com essa pesquisa, ressaltar os preconceitos sociais que são, através dos memes, amplamente reproduzidos nas redes sociais aos quais os nossos jovens têm acesso.

Jailton Ferreira de Oliveira, da UFPE, no artigo de número 10, intitulado Textos Multimodais e o Discurso Reportado no Telejornalismo, aborda a problemítica da multimodalidade, especificamente o uso de recursos semióticos inerentes ao discurso reportando. Para tanto, toma telejornais como objetos de análise.

O texto de nmero 11, Avaliação de Jogos Digitais com Finalidade Educativa: Contribuição aos Professores, foi escrito por Isa de Jesus Coutinho e por Lynn R. G. Alves (ambas da UNEB) e tem como objetivo investigar a qualidade de jogos digitais voltados para a educação. O material é um recorte dos resultados da pesquisa de doutorado de uma das autoras.

Por fim, O texto 12, cujo título é Ethos de violência e violência icônica em fotos de perfis de comunidades virtuais que agridem professores, da autora Morgana Soares da Silva (UFRPE/UAG), apresenta uma discussão relevante sobre a contribuição de alguns textos no verbais, veinculados em comunidades virtuais, para o estabelecimento do ethos de violência. Com base na Análise do Discurso Francesa, reflete sobre a discursividade construída, por meio de elementos no verbais, em comunidades virtuais que agridem professores.

Acessar Volume 15

Desejamos a todos uma excelente Hiperleitura!

Siane Gois Cavalcanti Rodrigues — Letras/UFPE (Editora)
Antonio Carlos Xavier — Nehte/UFPE (Coeditor)