Hipertextus Revista Digital Hipertextus Revista Digital Hipertextus Revista Digital Nehte/UFPE Website UFPE
 
 
Indexadores Nacionais:
 
Indexadores Internacionais:
 
Visitantes online:
 

 
 
Editoriais - Volume 5
 

Prezado hiperleitor,

Com grande alegria trago-lhe boas notícias: já está no ar o quinto número da Hipertextus Revista Digital. Nesta edição, dez textos foram selecionados por nossa equipe especializada de conselheiros estudiosos da área. Aqui você vai encontrar análises críticas interessantes sobre conceitos e definições que exorbitam esse domínio de conhecimento, bem como relatos de experiências de sucesso quando da utilização na prática pedagógica das tecnologias digitais hoje fartamente disponíveis tanto para o ensino quanto para a aprendizagem, de modo formal e informal.

O artigo de Jaqueline Barreto, Referir e argumentar: duas funções dos processos de referenciação indireta no Twitter, trata da multifuncionalidade das expressões referenciais, sobretudo, do seu papel argumentativo em enunciados trocados entre usuários do Twitter. Os objetos de discurso criados pelos “twitteiros os mantêm em interação com outros “twitteiros” ao mesmo tempo em que deixam esclarecem pontos de vista sobre uma determinada questão, apesar do curto espaço disponível em um microblog.

Abordando também a linguagem verbal utilizada em sites e ferramentas de relacionamento, o artigo Por uma pedagogia da ciberlinguagem: explorando redes socias Orkut, Twitter e Blog, de Robério Pereira Barreto, defende que a produção de linguagem, em tais ambientes digitais, pode contribuir para aumentar a capacidade de escrita e de socialização de saberes dos estudantes. Cabe ao professor aproveitar o fascínio deles pela utilização das redes sociais e assim intensificar a prática da linguagem da modalidade escrita.

A forma como o professor e/ou o tutor trata o aluno de curso a distância, na ferramenta de interação Fórum, pode estimulá-lo ou afastá-lo do processo de aprendizagem nesta modalidade. Essa tese é defendida por Anahy Oliveira e Maria do Rosário Barbosa, no artigo Atitude no Fórum temático: escolhas que aproximam ou distanciam os atores no discurso. As autoras aplicaram a categoria “atitude” da Teoria da Avaliatividade de Martin (1992) que também considera importantes, no processo de análise da interação, outras duas categorias: “engajamento” e “gradação”. Elas mostram a importância dos atos de cortesia como estratégias geradoras de afetividade com ganhos efetivos no processo de aprendizagem dos alunos de EAD.

O módulo “Informática” do Projeto Mídias na Educação da SEED/MEC esteve sob o olhar crítico das pesquisadoras Andrea Vasconcelos, Elizabeth Silva e Rebeca Ribeiro, no artigo Módulo de Informática do curso Mídias na Educação: uma análise da relação conteúdo e atividades. As autoras apontaram a falta de uma abordagem mais pedagógica para permitir o uso prático deste módulo entre os cursistas, que também são professores para os quais o material se dirige. Entre outras observações, as autoras pontuaram a inexistência da necessidade da leitura do material para a realização das atividades propostas aos cursistas.

Ensino de espanhol auxiliado por e-mails: depoimentos de alunos que vivenciaram esta experiência no Núcleo de Línguas da Universidade Estadual do Ceará (UECE) relata os ganhos de aprendizagem dos alunos que participaram desta situação pedagógica. Tatiana Lourenço de Carvalho, professora-pesquisadora, analisou as manifestações de satisfação dos alunos que melhoraram sua habilidade na escrita da língua espanhola por interagirem de forma autêntica com outros colegas e com o professor por e-mail.

O conceito de CVA, Comunidades Virtuais de Aprendizagem, é o foco da discussão do artigo Interação para a emergência de comunidades virtuais de linguagem. No texto os autores Carlos de Castro e Ana Elisa Ribeiro estudaram as principais características dessas comunidades como suas formas de interação e seus objetivos. Questões importantes que continuam sem respostas são detectadas pelos autores com por exemplo: A quantidade e a qualidade das interações devem ser levadas em conta na formação da CVA? Como surgem a CVA?

Simbolismo e alegoria no hipertexto são tematizados no ensaio de Claúdio Clécio Vidal Eufrausino, autor de Dialética da plenitude e da decadência expressa nas perspectivas simbólica e alegórica do hipertexto. Apresentar o conflito ainda sem solução entre “profundidade” e “volatividade” foi o objetivo anunciado pelo autor. Para tal, ele traça uma relação entre o que pensa Marcuschi (1999) e Benjamin (1975) acerca desses conceitos, pois, para Eufrausino, o hipertexto estaria na tensão entre ser representação que suscitaria conflito entre o símbolo e a alegoria. Entre outras reflexões, o autor afirma que é o próprio hipertexto que procura harmonizar tal conflito.

Portais educacionais são avaliados por João Batista Júnior. Em Análise da qualidade e usabilidade dos sites e portais das instituições de ensino superior da cidade de São Luiz – MA, o autor aplica três critérios de julgamento (Dados Gerais, Informação/Conteúdo e Usabilidade). Ele verifica que a maioria dos portais investigados carece de melhorias em termos de funcionalidade e utilidade razões que justificam sua existência e consequentemente o alto investimento de recursos públicos em sua produção.

Samuel de Carvalho Lima busca a resposta para a seguinte questão de investigação: "Em que medida as atividades on-line levam em consideração as potencialidades de interatividade da Web?” O resultado está relatado no artigo Atividades on-line mediadoras da familiarização com as potencialidades de interatividade na web. Tendo como objetos empíricos as atividades da disciplina Língua Inglesa do 2 do curso de Letras/Inglês da Universidade Federal do Ceará, executada no ambiente virtual SOLAR, a autora inclina-se a concluir que as atividades on-line aliadas à criatividade dos professores/tutores podem tanto motivar uma maior participação quanto contribuir para ampliar a capacidade de reflexão elaborada dos al unos que buscam realizá-las.

Cristiano de Sales arvorou-se a refletir criticamente sobre o cruzamento salutar de vozes que ocorreu no III Encontro Nacional de Hipertexto, em outubro e novembro de 2009. No texto, Vozes do Hipertexto 2009, uma espécie de novo gênero textual que mistura os ingredientes linguísticos de Relatório Científico, a sagacidade da Resenha Crítica e a audácia do Ensaio Acadêmico, o autor avalia que a tentativa de tratar o hipertexto como um paradigma interdisciplinar é bem-vinda, oportuna e importante, mas que muitos pesquisadores ainda não estão acostumados com uma discussão assim tão integrada. A boa vontade entre eles é visível, mas as amarras conceituais impedem que o verdadeiro diálogo flua entre profissionais que olham para o mesmo objeto cada um com suas próprias lentes conceituais marcadas por suas origens epistêmicas.

É exatamente pela variedade de artigos com diferentes discussões e abordagens, mas que preservam o mesmo eixo de gravidade: aprendizagem com equipamentos digitais dentro e fora das instituições oficiais de ensino, que esse volume da Hipertextus chega às suas mãos.

Desejo-lhe uma agradável hiperleitura! Acessar Volume 5

Saudações digitais!

Antonio Carlos Xavier
Editor - NEHTE/UFPE